Caminhos e Escolhas

12/12/2011 18:43

Caminhos e escolhas

Quais os principais desafios de um empresário responsável por um dos maiores grupos de um país? Como conduzir os destinos de uma empresa “abrindo mão” de familiares? Que significa felicidade para um empresário bem sucedido? Quais os impactos de um seqüestro na vida de um cidadão de bem? Estas são algumas das questões tratadas por Abílio Diniz no livro “Caminhos e escolhas: o equilíbrio para uma vida mais feliz”.

Abílio reconhece: “tenho tido sucesso, mas meu caminho foi repleto de dificuldades e o êxito veio com determinação e disciplina. Quando olho para trás e analiso minha vida, acho que ela pode ter sido tudo, menos normal e monótona”. Assim, ele passa a descrever sua história recordando que foi desportista desde jovem, ganhando prêmios nas escolas e universidades onde estudou. Ao retornar de uma temporada de estudos nos Estados Unidos, o pai o chamou para tomar conta dos negócios – na época a “Doceira Pão de Açúcar”. Posteriormente viria a se converter em supermercado, um ramo novo em São Paulo no final dos anos 50.

Sobre o seqüestro, um episódio marcante na vida de Diniz, ocorrido em dezembro de 1989, ele diz que a primeira sensação foi de raiva – uma raiva profunda de mim mesmo. A frustração veio em seguida. Eu que até aquele dia me considerava inatingível - não conseguia entender como me deixara dominar pelo bando. O episódio marcou o inicio de uma mudança que acabaria por me transformar em um pessoa completamente diferente. A dor e a tristeza foram enormes. Ao mexer muito com toda a minha estrutura emocional, tudo isso acabou por provocar uma mudança muito grande. Mudei, mudei muito, e sei que para melhor.

Sua participação na política iniciou-se em 1979, a convite de Mario Henrique Simonsen (Governo João Figueiredo), atuando, por 10 anos, no Conselho Monetário Nacional. O Pão de Açúcar enfraqueceu-se e começou a cair. A empresa apresentava os primeiros sintomas de crise e família não conseguia entender. Seu irmão, Alcides, pulou fora. Os problemas de administração associados à situação econômica do país quase levaram o Pão de Açúcar à ruína. Diniz decidiu reassumir o controle.

A partir daí, Diniz passa a descrever o que ele chama de “os seis elementos” que contribuem para uma vida mais feliz. Em primeiro lugar vem a atividade física. Meus hábitos saudáveis já inspiraram muitas pessoas próximas de mim a praticar exercícios. No Pão de Açúcar muita gente tornou-se atleta sob a influência do meu exemplo. Para ele, “Quanto mais eu treino mais sorte eu tenho”. O segundo elemento é alimentação, e ele descreve sobre os cuidados e a importância de uma boa e regrada alimentação, sugerindo que “o que engorda não é a exceção; é a regra” – frituras e gorduras e açucares devem ser consumidos com parcimônia.

O terceiro elemento é uma vida sem stress, em que você seja o condutor, nunca o passageiro do carro da própria vida. Diniz defende que trabalho é importante, mas há outras coisas que devem ser levadas em conta. Diniz ressalta a necessidade de ter organização sobre sua vida, sugerindo algo simples e eficaz: cuide da sua agenda. E indaga se você pode organizar seus horários de modo que sobre tempo para você? Claro que sim. Desde que haja organização. O quarto elemento citado por Diniz é o autoconhecimento, lembrando que se você não tem conhecimento de quem realmente é, e de suas próprias fraquezas, pode se tornar refém de suas vulnerabilidades. Pode tornar-se seu maior inimigo.

Em quinto lugar vem o amor. Ele afirma que “o amor é, numa definição ligeira, o motor do carro que conduz à felicidade”. Tanto o amor quanto o ódio tem a capacidade de nos mover, mas cada um nos conduz a um destino diferente. O amor mobiliza nossa energia. Sua presença em nossas vidas pressupõe troca, cumplicidade e doação. A condição de amar e de ser amado nos faz amadurecer e olhar mais atentamente para tudo. Por último vem o elemento espiritualidade e fé. Diniz lembre que “quando peço algo a Deus, antes pergunto a mim mesmo: O meu pedido é justo?” Para ser católico praticante que sou, não me atenho mais a alguns pontos incômodos da religião. Creio em Deus, nos santos e sigo rezando.

Enfim, com estes 6 elementos Abílio Diniz apresente seu entendimento sobre felicidade e, a partir da mudança significativa em sua vida - o seqüestro – enuncia os princípios para uma vida mais equilibrada e feliz